Curta no Facebook

terça-feira, 7 de março de 2017

COTIDIANAS ESPECIAL nº500 - "Peso Morto"



P E S O   M O R T O
M  A  X     M  O  R  E  N  O


QUANDO A NOTÍCIA DO ACIDENTE CHEGOU ao IML de Santa Mônica, Flávio sorriu. Pensou logo em André, seu parceiro de longa data no recolhimento de corpos de pessoas mortas em acidentes nas rodovias da região. A informação inicial dava conta de que as vítimas, dessa vez, era uma senhora — de uns sessenta e tantos anos — e uma moça com idade entre vinte e vinte e cinco anos.
A caminho do local do acidente, Flávio estampava no rosto uma satisfação mórbida. Tinha os olhos vidrados na estrada, as pupilas dilatadas, um sorriso malicioso congelado no canto da boca e o pé pressionando o pedal do acelerador, enquanto André, absorto, fitava através da janela do rabecão a paisagem rural que se estendia por dezenas de quilômetros.
— Isso é uma tremenda doideira! — disse André, sem chegar a dirigir o olhar ao parceiro de profissão.
— A vida é assim mesmo, cara, relaxa! — Flávio mantinha um tom de voz amistoso, e a mesma expressão de satisfação ainda estava instalada em seu rosto. — Azar de uns, sorte de outros.

Mesmo com todas as especulações dos curiosos e o procedimento padrão junto à Polícia Rodoviária, o resgate dos corpos acabou sendo mais rápido do que o habitual. Quando Flávio e André chegaram ao local, os paramédicos já haviam retirados os corpos das ferragens — do que restou de um Toyota Corolla Xei 2015 —, que agora jaziam sob um plástico negro na lateral de uma das pistas. O corpo da idosa sofrera alguma avaria na altura da bacia; já o cadáver da moça — exceto por uma fratura exposta no braço direito — estava intacto. O veículo em que elas trafegavam foi “tirado” da estrada e capotou várias vezes antes de ser arremessado contra a vegetação rasteira na beira da estrada. Um dos policiais que atenderam a ocorrência, demonstrava a mesma emoção de quem está habituado a ocupar um posto de operário na linha de produção de uma indústria, ao explicar que um caminhoneiro — desses metidos a terroristas — exagerou ao encostar na traseira do carro onde as mulheres estavam.
— Esses caras não ligam para ninguém — disse ele, encerrando a conversa com uma moça com cara de boneca japonesa, que segurava o microfone (com o emblema da TV local) em uma das mãos.

Cerca de quinze minutos depois, os dois jovens voltavam a sentir o vento no rosto, invadindo as janelas do carro fúnebre. Já estavam na estrada, de volta. Rodaram mais seis ou sete minutos antes de Flávio diminuir a marcha e deslizar o veículo pelo acostamento da pista. Os dois jovens trocaram um olhar em silêncio. À direita do carro, erguia-se uma grande plantação de milho, costurada por uma estradinha de terra, tortuosa. O milharal se estendia até onde a vista podia alcançar. “O lugar perfeito”, pensou Flávio. Entrou com o veículo e estacionou na diagonal, mutilando um pequeno trecho da plantação, de modo que o rabecão ficou encoberto pelo rio de tendões dançantes.
— Hora de suar, irmão! — disse Flávio, abrindo a porta do veículo.
O amigo permaneceu no banco do carona. Ainda mantinha o cinto de segurança travado e o olhar fixo num ponto imaginário, pensativo.
— Qual foi, André?
— Isso não está certo, cara!
Flávio desceu do veículo. Já estava se encaminhando para a parte de trás do rabecão, quando mudou de ideia. Retornou e encarou o amigo.
— O que é que tá pegando, cara? Anda, desce logo daí.
— Essa merda toda, Flávio — ele meneava a cabeça —, isso não está certo!
— Relaxa, cara, os mortos não falam.
— É muita sacanagem, não quero mais continuar com essa parada!
— Deixa de besteira, e me ajuda aqui com a gostosa.
Contrariado, André desceu do veículo e foi ao encontro de Flávio, que já se preparava para puxar a gaveta com o corpo da moça.
Passava das duas da tarde e, no céu, algumas nuvens carregadas se revezavam na tarefa de inibir os raios do sol, o que tornava a temperatura mais amena. Com a habilidade adquirida ao longo dos anos, os dois rapazes não encontraram nenhuma dificuldade em carregar a gaveta com o corpo da moça até uma das fileiras (de milho) um pouco mais distante do carro.
— E aí, vai querer buscar a velha? — perguntou Flávio, picando um olho.
— Que tal ir se foder?
— Calma, cara, eu só estou zoando.
O amigo deu de ombros.
Andando de costas, André se afastou lentamente do corpo da garota, enquanto Flávio começava a despi-la. Fazia isso com uma naturalidade assustadora. O estranho brilho em seus olhos denunciava: ele estava curtindo o ritual macabro.
— Até que ela tem uns peitinhos lindos — disse André, à distância, mas dando adeus ao discurso cheio de pudor que ensaiara inicialmente.
— Tá fazendo o que ainda aqui? Vaza logo, cara. Volta pro carro e vê se fica de olho.
André obedeceu e mergulhou no milharal de volta ao rabecão, enquanto Flávio terminava de despir a falecida. Feito isso, ele arriou as próprias calças e se debruçou sobre ela, ofegante como um animal no cio.
Menos de dez minutos depois, ele voltou para o veículo. Tinha no rosto uma expressão nojenta de satisfação. Fez um sinal com a cabeça, indicando que agora era a vez do amigo.
André conseguiu ser ainda mais rápido, e três minutos depois já havia encharcado os seios da morta com seu esperma pegajoso.

***

De volta ao IML a vida sugeria uma normalidade contraditória, e nenhum dos dois rapazes voltou a tocar no assunto.  A convivência com a morte, às vezes, faz isso com as pessoas, se convenciam. Mas a verdade era que admitir algum tipo distúrbio de comportamento implicava em ter de encarar um problema que resultaria em sérias consequências morais e religiosas. Aquela já era a décima segunda vez que os amigos se entregavam aos prazeres dos mortos. Contudo, embora não tivesse o menor controle sobre o seu lado pervertido, André via a necrofilia como um pecado mortal. Já tinha ido longe demais. Tenho que parar com essa porra toda, relutava. O peso (na consciência) começava a ficar insuportável. Por isso, quando o fim de semana chegou, o rapaz viu na confissão com o padre Germano alguma possibilidade de redenção com o Pai Celestial. André estava longe de ser uma pessoa religiosa, mas acreditava que tal atitude pudesse, de alguma forma, abrir um canal de “negociação” com o Criador. Já é alguma coisa!
No confessionário, André levou quase cinco minutos ensaiando como começaria a conversa com o representante de Deus e, na falta de uma frase mais criativa, decidiu usar o mesmo clichê idiota que todos os desgraçados usam:
— Padre, me abençoe porque eu pequei.
Padre Germano fez seu comentário inicial (de praxe) e ouviu —  sem interrupções — toda a história do jovem pecador. Em seguida entregou-se a um silêncio perturbador.
— Padre?... Ainda está aí?
— Sim, estou aqui, meu filho.
Ouviu-se então um soluço do lado do confessionário onde o eclesiástico estava.
— O que eu devo fazer? Não aguento mais essa culpa.
— Quero que medite por um instante, filho. Busque a resposta dentro do seu coração.
André passou tanto tempo mergulhado em questionamentos teológicos e filosóficos, que quando deu por si, quase dez minutos já haviam se passado.
— Padre, o senhor pode me perdoar?
Um novo silêncio se instalou no ambiente. Mas este fora quebrado antes que completasse cinco segundos.
— Creio que isso não seja uma tarefa muito fácil, garoto.
O som veio de algum ponto atrás das costas de André, e não era a voz do padre Germano.
Ao girar o corpo, o jovem se separou com dois policiais que — sem nenhuma cerimônia — o algemaram imediatamente.
— Padre — questionou ele —, que merda é essa? Essa porcaria de confissão não era para ser sigilosa?
Padre Germano se aproximou de André, e as lágrimas percorreram suas bochechas rosadas.
— Sim, meu filho. A confissão é um ato sigiloso. Mas — ele enxugou os olhos com um lenço todo amarfanhado —, desde que você não tenha perdido a irmã e uma sobrinha num trágico acidente de carro, e tenha passado pelo constrangimento e a dor ter tido os corpos de seus entes queridos profanados por um cretino como você.
— Mas, padre!
— Vá pro inferno, meu filho!
O tom irônico adotado pelo padre chamou a atenção dos policiais, que trocaram um olhar de aprovação no momento em que conduziam o rapaz a 16ª Delegacia de Polícia.

***

Na cadeia, André não viu outra opção a não ser entregar o amigo. Foi num julgamento sob olhares revoltosos que ambos foram apresentados ao termo “vilipêndio a cadáver”. E foi nesse mesmo dia que descobriram que, de acordo com o Artigo 212 do Código Penal Brasileiro, a pena para esse tipo de crime pode chegar a três anos de detenção, além de multa aos infratores. O juiz que julgou o caso foi compreensivo com a dupla e os isentou do pagamento da tal multa, condenando-os “apenas” aos três anos de reclusão.
Saíram de lá antes do aniversário de dois meses de encarceramento. Os dois jovens foram assassinados por seus companheiros de cela e — ironicamente — tiveram seus corpos profanados por meia dúzia de detentos que ocupavam o mesmo pavilhão.



***



Max Moreno é escritor e redator publicitário. É autor do romance "A Outra Sombra", publicado originalmente em 2013 e traduzido e publicado em inglês em 2016; e autor participante da coletânea de contos "Big Buka - Para Charles Bukowski" (2016) em homenagem ao escritor norte-americano.
Paranaense, nascido em Mariluz, Max reside atualmente na cidade de Campo Mourão, tambem no Paraná, onde, além da atividade literária, é locutor na rádio Musical FM.


Nenhum comentário:

Postar um comentário